Fundação Espírita Cárita

História da Casa

É importante relembrarmos os passos dados, dos trabalhos realizados, dos encontros com tantos companheiros(as) que dedicaram precioso tempo em suas vidas, para que os compromissos e tarefas assumidas pelos nossos precursores, prosseguissem.

Fica a nossa eterna gratidão pelo muito que aqui recebemos, nas bênçãos sublimes da Doutrina dos Espíritos, sendo vivenciada junto a esta família espiritual que nos assiste e acompanha.

A Fundação Cárita foi instituída em 08 de novembro de 1946.

Este grupo iniciou este trabalho, após a realização de um dos Cultos do Evangelho, no lar de nossa benfeitora Marieta de Araújo Nobre.

Após a leitura do texto do Evangelho Segundo Espiritismo, cap. XIII, item 13, o espírito Cárita que assina essa mensagem, apresentou-se à médium que com ela teve edificante diálogo, do qual surgiu o compromisso de construir uma Instituição, uma entidade beneficente, com a finalidade de levar o conforto moral e espiritual a irmãos necessitados.

Durante vários anos, foram realizados diversos trabalhos na área da Assistência Social e da Educação, como doação de roupas e enxovais, visitas fraternas, curso primário e de alfabetização para adultos e de estudos doutrinários.

O amparo espiritual sempre se fez presente, através de entidades amigas que traziam o fortalecimento para essa equipe.

Continuou a Casa sob direção humilde, mas firme, vigorosa e extremamente carinhosa da Irmã Marieta que lhe dedicava tempo integral, até o ano de 1975, quando desencarnou, no dia 04 de dezembro. Nesta época, esta irmã já havia conhecido e recebia tratamento espiritual da Congregação Espírita Irmã Ângela.

Após o seu desencarne a Fundação Cárita continuou a ser conduzida pelos seus filhos Paulo de Araújo Nobre e Anália de Araújo Nobre.

Em 1980, Paulo desencarna, assumindo a direção a Anália de Araújo Nobre. Em seguida passou a Presidência a ser exercida pelo José de Araújo Nobre. Nenhum dos descendentes da fundadora tinha condições para dedicar-se a Instituição e dar prosseguimento normal em suas atividades. Houve então um longo hiato em seu funcionamento. A incômoda paralisação transformou-se em preocupação.

A Congregação Espírita Irmã Ângela foi um grupo de amigos que se reunia em seus lares, há algum tempo, com a finalidade de estudos e trabalhos mediúnicos, sob a orientação espiritual da Irmã Ângela, pela médium Geralda Vieira e do Irmão Agar, pelo médium José Luiz Henriques Dutra.

Em outubro de 1972, iniciaram os tratamentos espirituais com Irmão Agar. Esses encontros eram realizados na residência do médium Dutra.

Em 12 de dezembro de 1972, esse grupo funda a Congregação Espírita Irmã Ângela, designada CEIA.

Em 23 de Fevereiro de 1973, o espírito de Terezinha Delamare, se apresenta ao médium Dutra, onde num diálogo fraterno, traz um pedido para que os membros da CEIA olhassem as crianças desamparadas e construíssem um teto, onde abrigadas pelo trabalho de amigos direcionados ao bem, pudessem no futuro, se verem livres do risco do abandono e da prostituição. Os membros fundadores da CEIA acolheram este pedido e instituíram as Obras Sociais Terezinha Delamare, com a finalidade da construção orientada pela espiritualidade.

Aos poucos, muitos companheiros queridos se agregaram ao grupo e com esse crescimento e do tratamento espiritual, a CEIA transferiu seus trabalhos para as segundas-feira, no Centro Espírita Luz e Humildade na Rua Rubi, no Prado. Mais tarde, transferiu-se novamente para o Centro Espírita Camilo Chaves, na Rua Safira, no Prado, ampliando suas atividades para as segundas e quintas-feiras.

Em 1974, a irmã Marieta Nobre e suas filhas procuraram o tratamento espiritual conhecendo os trabalhos da CEIA.

Com a paralisação dos trabalhos da Fundação Cárita e o contato da família de D. Marieta com os trabalhos da CEIA, surgiu à hipótese, em 1980 da CEIA, que não tinha sede própria, vir a ocupar a sede da Cárita expandindo seu espaço físico para os trabalhos que realizava. Muitas divergências surgiram. Muitas foram às idéias e discussões a respeito.

A neta de D. Marieta, Rosa Maria Nobre, busca orientação espiritual do irmão Bezerra de Menezes em Brasília, cidade onde estava residindo. Ele em sua mensagem estimula a continuidade do trabalho cristão e prevê que o outro grupo “DEVERIA SE FUNDIR Á CÁRITA MUITO EM BREVE”.

O tempo passou e continuaram os descendentes de D. Marieta a frequentar a CEIA com mais assiduidade sem dar à mesma, o conhecimento das comunicações do Dr. Bezerra de Menezes.

Os entendimentos prosseguiram e no dia 26 de maio de 1984 formalizou-se a fusão da Fundação Cárita e a Congregação Espírita Irmã Ângela – CEIA e da responsabilidade das Obras Sociais Terezinha Delamare de construir uma Creche. A denominação da Casa foi alterada para Fundação Espírita Cárita, atendendo a recomendação do nosso Mentor Espiritual Irmão Agar.

Era um novo momento! Era uma nova Casa, trazendo a enxertia espiritual de compromissos maiores!

Era o momento de fortalecimento, para que nesta união, pudessem sustentar os trabalhos a que esta Casa estava destinada, junto a um compromisso maior.

Vencidas as dificuldades iniciais, através da dedicação e renuncia de companheiros prestimosos, os trabalhos aos poucos foram sendo estabelecidos e ampliados, as vibrações espirituais de difícil teor, foram sendo superadas. Era um novo tempo para a continuidade de compromissos assumidos com a espiritualidade no desenvolvimento de trabalhos.

Posteriormente, numa revelação espiritual, foi informado que o Espírito Ângela era o mesmo Espírito Cárita - são nomes de duas encarnações. Também foi revelado que a irmã Marieta Nobre, já tinha esta informação, recebida através de sua percepção mediúnica, quando da participação nos tratamentos.

33 Anos de Trabalhos

Quantos trabalhos! Quantos trabalhadores!

Muitos chegaram, muitos foram, outros chegaram, muitos permanecem... e assim se sucede...

Foram os responsáveis pela Casa:

  • De 1984 a 1988 - Cleber Varandas de Lima
  • De 1989 a 1990 - Renato Vallerini Jr
  • De 1991 a 1994 - Cláudio Fernando Monteiro
  • De 1995 a 2006 - Elizabete Dutra Monteiro
  • Atualmente - Cláudio Fernando Monteiro

Cada responsável teve consigo companheiros dedicados nas diversas áreas de compromissos das diretorias. E esses, outros tantos... É como uma árvore que expande seus galhos oferecendo muitas oportunidades de trabalhos.

Hoje, a Fundação Espírita Cárita mantém um quadro de trabalhos em vários setores de auxílio e amparo a irmãos necessitados, marcados pela integração de uma equipe maravilhosa de colaboradores dos dois planos, 

que se estrutura a cada dia, para a tarefa sublime da Educação do Espírito.

Unidos, todos trabalham incessantemente para que as programações Superiores sigam o seu curso.

A direção espiritual da Casa, com o carinho e orientação sustenta-nos e fortalece-nos a cada instante, para que não desanimemos, mas sigamos cada vez mais firmes em nossos propósitos.

Que seja, pois, o Nosso Mestre Jesus, a luz de humildade a guiar o nosso caminho na tarefa sublime de seguirmos sob a bandeira de Cárita.

Inscreva-se para receber os e-mails da FEC.